sábado, 11 de dezembro de 2010

Etiqueta


Em nome das boas maneiras, da moral e da ética, pessoas investem seu tempo para escrever desaforos em qualquer espaço virtual que encontram. Fiquei surpresa ao ler defesas agressivas em prol da etiqueta on-line pela suspensão do Caps Lock, tema da vez. No Blog da Redação de UOL há uma matéria sobre o assunto, seguida de umas 30 opiniões de leitores. Consta lá que o novo sistema operacional do Google para notebooks, o Chrome OS, teria abolido a dita tecla com a justificativa de melhorar a qualidade da comunicação na web. Diante da crítica do autor do texto, que questionou a explicação vaga da empresa, vários manifestos surgiram.

É muito interessante acompanhar o raciocínio alheio. Quanta volta! Bah. A palavra que me ocorre é "exagero". As pessoas parecem puxar um discurso pronto acerca da vida, desgastado de tanto que já foi requentado. Tentam desesperadamente enquadrar tudo ali. Só conseguem ver a sua verdade, a única verdadeira.

De um lado os que defendem o fim da gritaria na internet. Esses são os mais contraditórios. Não é preciso gritar para ser estúpido, desagradável, inconveniente. Sério... Não consigo acreditar que tem gente que se incomoda com tão pouco. Pelo palavreado que usam em seus argumentos, não soam educados. Não parecem embaixadores das boas relações pelas quais tanto clamam. Podem se comuniar até por desenhos, continuam ogros. Se ainda não existe sequer uma legislação consolidada para as questões virtuais, quem se acha no direito de julgar um novato que sem pretensão nenhuma usa o Caps Lock? Quanta bobagem.

De outro lado, os que se dizem "de esquerda" e nem sabem que essa divisão ficou lá no passado. Acreditam que estamos sendo dominados, que retirar uma tecla é um boicote à democracia, que cada um pode gritar quando quiser. E fazem previsões catastróficas. Viajam nas teorias da cosnspiração, fazem drama, pregam o terror. Vira comédia.

Ali no meio, entretanto, entram alguns que escapam dos extremos. Uns que aproveitam pra fazer uma piadinha pra quebrar o gelo, outros que tentam explicar os mecanismos de programação para ativar a tecla, demonstrando que a função não foi extinta, mas substituída por outra considerada mais útil para a navegação. Tem um ou dois muito preocupados, que não sabem como farão a árdua tarefa de digitar o cabeçalho dos trabalhos apertando o Shift. São a minoria.

Infelizmente, depois de ler tantos desses fóruns, observo que pessoas preocupadas em gerenciar somente as suas vidas, que conseguem manter o senso de humor na hora do caos e que usam os espaços coletivos para contribuir com informações relevantes são muitas vezes a minoria.

Opções de sistema de navegação não faltam no mercado. Cada um escolhe o que quer, o que sabe usar, o que pode pagar. O ponto não é o tema. Sempre rola um esqueleto parecido nas polêmicas, virtuais ou não. Quem dera fosse culpa do Caps Lock. Estaríamos prestes a revolucionar a comunicação humana.     

     


Pra quem quiser a matéria:

Um comentário:

  1. É impressionante como o pessoal é intolerante. Defendem a tal "netiqueta" a unhas, dentes e palavrões assustadores. Senhores em boas maneiras, heheheh

    ResponderExcluir