quinta-feira, 21 de julho de 2011

Identidade

Depois de quase trinta anos olhando para aquela mesma cara, cheguei bem perto - olho no olho, nariz com nariz - e disparei implacável na frente do espelho: 'afinal, quem é você?' Sem resposta, tornei-me um alvo fácil da ansiedade que consome os seres no silêncio. Reformulei a pergunta: 'se não sabe dizer quem é, então me diga ao menos, por favor, quem você pensa que é?'.

Nenhum comentário:

Postar um comentário